quinta-feira, 23 de junho de 2011

III Ultra Trail Geira / Via Nova Romana - Recordações

Resolvi recordar aqui o primeiro Trail em que participei, em 23 de Maio de 2010:

«E lá completei o meu primeiro Ultra Trail (na verdade foi simultaneamente o meu primeiro Trail e a minha primeira Ultra). Que posso dizer eu? Numa frase: foi um desafio planeado com uma enorme expectativa, que conseguiu ser excedida.
Tendo pernoitado em Caldelas, uma agradável estância termal no coração do Minho, acordei no domingo com a adrenalina a bombear a 300 à hora. Tomei um pequeno-almoço frugal às 6h15 no Hotel e depois dirigi-me a pé para o local da partida dos autocarros que nos levariam a Baños de Rio Caldo, Lóbios, em Espanha.
Depois das "Formalidades Romanas" executadas por elementos da organização vestidos a preceito (não fosse esta a corrida da Via Nova Romana), foi dado o sinal de partida, às 9h05. Um subgrupo substancial dos 130 participantes que alinharam à partida arrancou tão depressa que eu pensei que a coisa ainda ia acabar mal. Depois de um primeiro km a 4'58'' pareceu-me que esse não era o ritmo adequado para correr os 51km que tinha pela frente. Assim adequei o meu ritmo à subida que se estendia perante mim (7km a subir dos 378m até aos 762m na fronteira). Depois fui gerindo o esforço o melhor que pude.
O calor foi muito; a paisagem foi de cortar a respiração (as subidas também...); a "tecnicidade" do percurso foi alta para quem nunca tinha feito nada do género, como eu - ou seja, muitas pedras, calhaus e cursos de água para saltar por cima - senti-me como se tivesse passado metade do tempo a subir e descer escadarias de pedra; mas a camaradagem entre companheiros de prova foi para mim a tónica mais relevante desta empreitada.
Pouco depois do 8º km juntei-me a um companheiro que corria ao mesmo ritmo que eu e a partir daí seguimos o restante caminho a apoiarmo-nos mutuamente. Sem o apoio do Luís Freitas teria tido muita dificuldade em me aguentar a correr os últimos 10 km. Aqui vai um grande bem hajas para ele! No fim acabámos ambos em simultâneo, em 5h40m, para selar a amizade que se foi cimentando pelo caminho.
De resto a organização foi boa, com muitos e abundantes abastecimentos de liquidos e sólidos, o que foi essencial para que não sucumbisse à desidratação.
Confesso que cheguei ao fim completamente esgotado. Já não tinha nem pernas nem pulmões para mais. Correr em trilhos é muito mais cansativo do que correr em estrada. Tudo somado foi uma experiência inesquecível, a repetir sem dúvida. O sentido de aventura é inexcedível.
Deixo algumas fotos representativas, com o Luís Freitas (nº31) e com o César.»

domingo, 19 de junho de 2011

1º Ultra-Trail de Sesimbra






No domingo dia 12 acordei bem cedinho (5h!!!) para ter tempo de ingerir um pequeno-almoço substancial e me equipar convenientemente para mais uma aventura Ultra. Ou seja, t-shirt Run 4 Fun, mochila de hidratação com 2l de água, 4 géis, meias de compressão, as sapatilhas de trail e o lenço para proteger a cabeça do sol inclemente.

Desta vez tratou-se de correr os 50 km do 1º Ultra Trail de Sesimbra, organizado pela Associação Desportiva O Mundo da Corrida, da qual tenho a felicidade de conhecer alguns elementos com os quais partilhei a aventura dos 101 km de Ronda.

Chegado a Sesimbra, levantei o dorsal 98 e depois tive o prazer de confraternizar um pouco com alguns companheiros habituais destas aventuras. Tive a boa surpresa de reencontrar o Renato Velez que tal como eu também se preparava para completar os 50 km.

O local de partida e chegada situava-se junto ao Hotel Sesimbra Spa, do lado nascente da vila.

Depois das recomendações do Eduardo Santos, foi dado o sinal de partida e lá fomos nós, cerca de 120 atletas, pela marginal fora, até ao porto de abrigo, onde começámos a subida para a pedreira. 

Arranquei rápido e na pedreira ia no grupo dos 20 primeiros.

As fitas vermelhas e brancas e as marcações azuis no chão não deixavam enganar. Fui correndo atrás de um grupo de cerca de 6 atletas que iam a um bom ritmo pelo estradão. A certa altura, pouco depois do 9º km, eles viram para a esquerda para dentro de um terreno lavrado e eu sigo atrás reconfortado pela contínua presença das marcações. Corremos cerca de 1 km até que numa descida nos deparamos com uma seta azul no chão que indica “Meta.” Paramos surpreendidos. Não pode ser! Ainda faltam imensos quilómetros. Algo está errado. Decidimos voltar para trás. Subimos novamente e voltamos para o ponto de partida onde reentramos no estradão. Ao fim de alguns metros confirmamos que era mesmo para seguir em frente. 

Fiquei sem compreender o que tinha ocorrido. Em retrospectiva julgo que teremos entrado pelo desvio para o Mini-Trail mas não tenho a certeza. Seja como for, perdemos cerca de 13 minutos o que não é significativo numa prova desta dimensão.

Quando passamos no 1º abastecimento, ao 11º km, vou em 97º lugar, ou seja, na cauda da corrida. A partir daqui é sempre a ultrapassar atletas, o que, diga-se o que se disser, é sempre bom para o moral.

Os abastecimentos têm água, bananas e laranjas em abundância. Nos primeiros evito parar pois vou recorrendo à água da mochila e aos géis que levo. No entanto a partir de certa altura o calor começa verdadeiramente a apertar e começo a beber que nem um camelo e a comer que nem um urso cada vez que tenho a oportunidade.

Após 21 km chegamos ao 2º abastecimento e ao início da praia. Vou agora em 56º lugar, ou seja, recuperei 41 lugares nos últimos 10 km. Inicio a descida para a praia onde terei cerca de 4 km de areia amarelinha e grossa para palmilhar. São poucos kms mas desgastam cumó caraças, sobretudo agora que o sol inclemente começa a fazer os seus estragos. Chegados à praia das bicas subimos pelo acesso íngreme e entramos nos primeiros single-tracks do percurso.

Este percurso ainda é relativamente simples e consigo chegar ao km 31º, no Farol do Cabo Espichel, em 42º lugar e a sentir-me ainda com reservas de energia.

No entanto a partir daqui é que começa o tratamento de mula, com subidas e descidas bem agrestes, no meio de mato alto e calhaus cortantes. Os pés vão ficando maçados e as bolhas começam a aparecer. Os músculos já não respondem como no início. O calor continua a fazer sentir o seu efeito. A paisagem é belíssima, mas já tenho alguma dificuldade em aperceber-me do azul do mar.

Seja como for, consigo chegar ao 37º km em 32º lugar, o que indica que muitos atletas ainda vão em maiores dificuldades do que eu. Daqui para a frente é sempre a gerir o prejuízo. Por vezes tenho que parar por instantes para dar folga às pernas, mas vou inexoravelmente percorrendo o caminho. É nesta altura das corridas que normalmente entro em modo “Zombie” em que os pés andam sozinhos e eu mal tenho a noção para onde me dirijo.

Ao km 41 volto a passar no local assinalado com a indicação da direcção da Meta, mas desta vez com um nível de frescura (ou falta dela) completamente diferente. Ao km 47 do meu Garmin passo novamente na pedreira, no retorno para o Castelo. Os quilómetros até ao Castelo são bastante penosos mas vão-se fazendo. Quando finalmente chego lá ao alto, no Castelo, já levo 6:14 de prova e vou em 21º lugar.

A partir daqui é sempre a descer! Ganho fôlego e lá vou eu para percorrer os últimos 3 km o mais depressa que conseguir. Chego ao porto de abrigo e percorro a marginal até à meta, onde termino no 21º lugar, após 6 horas e 32 minutos de muita dureza mas também de muita beleza natural. O meu Garmin marca 54,3 km. O objectivo principal, que como sempre é terminar, foi cumprido.

Reencontro a minha mulher, que fez a caminhada, e vou confraternizando com os atletas presentes e com aqueles que vão chegando. O amigo Eduardo Ferreira está mortinho para se atirar para dentro de água e eu próprio faria o mesmo se não tivesse os miúdos à espera.

O Luís Mota teve mais uma excelente prestação (honra o nome que tem :)), vencendo em 4 horas e 38 minutos.

Ouve uma ou outra falha, mas em geral julgo que a organização esteve muito bem. É sem dúvida um trail a manter e eu estarei cá para o ano para o fazer novamente.

A esta distância, os pormenores retidos pela minha memória já não serão muito fiáveis, portanto espero que desculpem alguma incorrecção no meu relato. Para um relato mais rico e melhor ilustrado do que o meu, basta ir à página do Paulo Pires.

O percurso marcado pelo meu Garmin pode ser encontrado aqui: Garmin.