quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Fim de Época 2014





É chegada a altura de fazer um balanço do que foi o ano de 2014 em termos desportivos.

Para melhor o enquadrar, eis um gráfico com os 5 anos de treino que registei desde que iniciei um regime de corrida sistemática e planeada:




Cada ponto é o somatório de 4 semanas de treino.

A curva “TOTAL” representa uma aproximação a uma distância ponderada das minhas 3 atividades principais, que são a corrida, o ciclismo e a natação, calculado da seguinte forma: TOTAL = Corrida + Ciclismo / 2 + Natação x 4.

Nota-se um decréscimo de cross-training a partir da minha primeira participação numa prova de 100 milhas (Ehunmilak), em Julho 2012, para voltar a retomar esse treino diversificado já no final do corrente ano.

Vê-se ainda a quebra que tive após a realização da minha 2ª prova de 100 millhas (GRP), em Agosto de 2013, e até ao Ultra Trilhos dos Abutres de 2014, devido a variadas lesões e algum desgaste mental.

O corrente ano de 2014 é marcado por um grande volume de corrida, que teve o seu primeiro desafio no MIUT e foi concretizado até à participação na minha primeira prova com mais de 200 km (VCUF), em Junho de 2014. Depois teve um novo pico com a participação em alguns objetivos ambiciosos, como o Réccua Douro Ultra Trail, a Maratona de Lisboa e o UTAX.

O final de ano vota a ser de acalmia na corrida, mas com compensação no ciclismo e na natação, com vista a preparar um dos objetivos de 2015 que será a participação no Triatlo de Lisboa na distância de Half-Ironman.




A carga de treinos foi aquela que está expressa no próximo gráfico. De notar que 650 horas de treino correspondem a 16 semanas de trabalho (40 horas semanais). Este facto sublinha a maior verdade do desporto: o que custa mais não são as provas, mas sim o treino regular.





Eis aqui o meu histórico de provas efetuadas durante o ano de 2014:





Como não se pode terminar o balanço de um ano sem perspetivar o próximo, aqui vão os meus principais objetivos desportivos para 2015:


Ou seja, tenciono cumprir o número mínimo de provas para me classificar no Circuito Nacional deTrail Ultra Endurance, faço a minha estreia num triatlo e completo a prova mais mítica do Trail mundial, para além de tentar melhorar o meu tempo na prova rainha da estrada.





Ainda na vertente do desporto, fez em Novembro 2 anos que ajudei a fundar uma nova Associação, a ATRP (Associação de Trail Running de Portugal), que veio ocupar um espaço próprio no seio do desporto Nacional, colmatando uma necessidade que já se fazia sentir há algum tempo. Julgo poder dizer que a ATRP se tem sabido afirmar como instituição orientadora do Trail em Portugal. Não posso deixar de comentar que o muito que já foi conseguido, foi-o graças ao trabalho inteiramente voluntário dos membros dos corpos sociais da ATRP, trabalho esse que ocupa muitas horas do seu tempo. Muito mais ainda poderia ser feito e porventura melhor feito, mas tal como a maioria das instituições, a nossa debate-se com limitações de recursos, tanto físicos como humanos, que não permitem que todas as boas ideias, muitas das quais obtidas auscultando a comunidade desportiva que pratica e organiza a nossa modalidade, possam ser concretizadas.
Como é um trabalho que nos dá um enorme prazer, continuaremos a envidar os nossos melhores esforços em prol do Trail Nacional.






A valência mais importante que o Trail Running me tem proporcionado ao longo destes 5 anos de prática é a amizade das muitas pessoas que tenho vindo a conhecer ao praticar uma das atividades mais saudáveis e recompensadoras que conheço. Vale bem a pena sair do sofá para me reunir a estes amigos e comungar de um interesse comum que quebra barreiras e aproxima pessoas independentemente das suas origens.








2 comentários:

  1. Parabéns por um grande 2014 com votos que em 2015 consigas concretizar os teus objectivos.
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Parabéns! És um exemplo e uma inspiração :-)
    Beijos

    ResponderEliminar