quinta-feira, 14 de maio de 2015

“O Espírito do Trail: Cultura, Popularidade e Prémios Monetários nas Ultramaratonas”





Esta crónica é inteiramente composta por excertos selecionados de um interessantíssimo artigo que aborda a cultura do Trail de Ultra Endurance e os seus desafios atuais.


Gary C. David and Nick Lehecka




Back to Wild Spirit



By your endurance you will gain your souls
 (Luke 21:19 New Revised Standard Version)

 “What we seek is the truth. Not the truth shaped by human knowledge, but the Truth: harsh, unwritten and startingly real.”
  - Jill Homer



“What is the culture of ultramarathon running?”, or as we call it the spirit of the trail.




This paper explores this topic of ultramarathon culture through a broader demographic analysis, attitudinal questions, and questions about training and identity. This paper is aimed at providing an initial exploration into the nature and culture of ultramarathon running, along with an examination of the changes being brought by increasing sponsorship, popularity and professionalization.


“During foot races over distances longer than the traditional marathon length, the experience of competing with one’s self, the weather or the distance surpasses the experience of competing against the opponents” (Nowak 2010:37). Ultimately your chief rival is the voice in your head telling you that you cannot finish, cannot cover the distance, and in fact should not even try.

A major moment in the growing popularity of ultrarunning came with the publication of two books.

The first book was Ultramarathon Man: Confessions of an All-Night Runner (2005) by Dean Karnazes.

The second book was Born to Run (2009) by Christopher McDougall, which not only further increased the visibility of ultrarunning but also can be said to have revolutionized the shoe industry through the introduction of the minimalist shoe movement.

(...) ultrarunning has long been populated by what can be considered ordinary people doing extraordinary things. By this we mean ultramarathoning has not been dominated by the professional athlete, a person whose athletic abilities allows him or her to make their living from a sport. While this is changing in contemporary ultrarunning to some extent, it continues to be the case that “Ultras are for everyday people, and they’re not wired differently. What they share is a desire to push boundaries” (Greenwood 2012).

“Over the past couple of years, competitive trail running in the USA has gone from an underground community of extreme athletes to an immensely popular extreme sports venue,” ranking as the sixth most popular extreme sport in the US (Burgunder 2010).

Ultrarunning is a changing culture. The growth and transformation of ultrarunning is not a necessarily welcomed event for those who are part of the “old school” of ultrarunning, those used to smaller fields, less attention, and no concerns over prize money.

We might be able to then say that competitiveness per se is not an overriding factor in ultrarunning culture.

Generally speaking, the emphasis on becoming a better person and having a unique experience that facilitates that transformation is given higher priority than outcome and meeting a personal goal.

There are then these additional elements which one must possess in order to be seeable as an ultrarunner. So then to the question of ‘what is ultrarunning,’ the overly simplistic answer is running longer than a marathon. The culture of ultrarunning, or ‘the spirit of the trail,’ would involve more than just completion of distance; it would involve possession of an ethos and culture that is unique to that activity.

(...) it is more common to find that no prize money is offered for winning an ultramarathon. For instance, the Grand Slam of Ultrarunning involves four 100 mile races: the Western States Endurance Run, Vermont 100, Leadville 100, and Wasatch 100. No prize money is awarded for winning any of those races. In fact, there is no prize money associated with winning the Grand Slam, accomplished by accumulating the lowest total time running all four in one year. These are not exceptions. What’s more, “[f]or many elites, the modest payoffs don’t even cover travel costs to an event” (Seiss 2012). In other words, it costs more to do them than they get for winning. In conversations with elite ultrarunners, it is not uncommon for them to lose money on racing, spending more than they win or make through sponsorships.

In that way, elites are like the amateurs, trying to balance work, family, friends and training. This can be an important element in the identity of the ultrarunning community, and speaks to part of the more egalitarian ethos that permeates. The elites are just like us, only faster.

Taken together, for respondents elites do not factor as an important element when choosing a race, and should not be given preferential treatment.

Wilkins divides the argument over prize money between “purists” and “pragmatists.” The purists, he states, “argue that the introduction of prize money to ultramarathon running would only serve to corrupt our otherwise clean sport and could lead to such unsavory things as cheating, performance enhancing drug use, and corporate greed.” The pragmatists, on the other hand, “suggest that the addition of prize money would increase competition, bring increased attention to the sport, and add an air of professionalism to a sport that has been rather loosely organized and administered for over 30 years.”

The 2013 edition of Leadville has been highlighted as what is becoming wrong about ultrarunning, an event that is increasingly attracting the inexperienced who are merely seeking to do an ultra to say they did an ultra

Finally, as more sponsorship and attention is given to ultrarunning, there is the concern of whether more and more races will go the way of Leadville, and whether the price of popularity is worth the cost of culture.

(...) struggle and endurance is viewed as a gateway to self-discovery that is accomplished by going into a realm that today’s modern society is constructed to actively avoid. Within ultra comes a kind of purity of existence in that moment, where all of the things that can plague us every day are stripped away and focus is turned toward just keeping moving forward.

“What we seek is the truth. Not the truth shaped by human knowledge, but the Truth: harsh, unwritten and startingly real.”

The journey does not begin at the starting line, but in the course of training, immersing oneself in the day-to-day struggle to even approach the starting line with a sense of preparedness. Or, as ultrarunning great Scott Jurek (2012:Ch.12) has found, “The point was living with grace, decency, and attention to the world, and breaking free of the artificial constructs in your own life.

It often is in struggle that people can unite for a common purpose, allowing difference to be shed for a shared goal and experience.

As was shown in the survey results, community and identity are important elements of the ultrarunning culture.

“At every endurance event, there comes a time when you’ll say, ‘What the fuck am I doing here?’ And you’ll say, ‘This is what I do’.”


The concern now is whether the growth and increased commercialization of the sport possess a threat to the spirit of the trail, and the ethos that became established in ultra.

As ultrarunning continues to grow in terms of race size and market share, more will be needed to be done to examine whether it can achieve a model of economic, environmental, and cultural sustainability.



segunda-feira, 11 de maio de 2015

Estágio da Seleção Nacional de Trail



Atletas e Equipa Técnica




No fim de semana de 9 e 10 de Maio teve lugar o Estágio da Seleção Nacional de Trail Running, no Vale do Rossim, Serra da Estrela.

Foi um estágio organizado pela ATRP em parceria com o Armando Teixeira, do Estrela Grande Trail.

A Seleção Nacional consiste numa equipa masculina e numa equipa feminina, de 4 elementos cada, selecionados pela ATRP - Associação de Trail Running de Portugal, por delegação da FPA - Federação Portuguesa de Atletismo, e que irão representar as cores nacionais nos Campeonatos do Mundo do Trail no proximo dia 30/05 na MaXi-Race du Lac d'Annecy em Annecy, França. Trata-se de uma prova de 85 km com 5.300 mD+.

Pudemos contar com a presença de 6 dos selecionados. Os outros dois, Ester Alves e Carlos Sá, não puderam comparecer por estarem ausentes do país.

Estiveram presentes os atletas, Júlia Conceição, Lucinda Sousa, Susana Simões, Hélder Ferreira, Luís Mota e Nuno Silva, e a equipa técnica, João Mota, José Carlos Santos e Luís Ferreira.


Foi um fim de semana muito agradável, cheio de boa disposição e otimismo, e num ambiente de sã camaradagem.

Ficam aqui algumas fotos do evento:


Equipa feminina - Júlia Conceição, Lucinda Sousa e Susana Simões (falta a Ester Alves)


Equipa masculina - Nuno Silva, Hélder Ferreira e Luís Mota (falta o Carlos Sá)


Briefing pelo Presidente da ATRP, José Carlos Santos

Briefing - Atletas e equipa técnica

Pequeno-almoço

Treino

Treino

Treino

Manteigas em fundo

Crioterapia

Barragem do Vale do Rossim


quinta-feira, 7 de maio de 2015

De Vela até aos Açores



Bénéteau First 24, La Licorne


Bénéteau First 24, La Licorne.


Horta, Faial




A sanidade mental é uma defesa orquestrada pela mente para sobreviver à condição humana



Não me recordo ao certo do ano, mas terá sido por volta do verão quente de 1999.



Desde 1997 que eu estava inscrito nas aulas de natação na recém-inaugurada Piscina do Estádio Universitário de Lisboa.

Cedo tinha confidenciado à minha professora, a Paula Bettencourt, que um sonho antigo meu seria atravessar o mar num veleiro.

Uma manhã igual a qualquer outra, vindo do nada, a Paula lança-me um desafio: "Tenho uns amigos que vão partir de veleiro amanhã de madrugada de Vila Moura em direção à ilha do Faial, nos Açores. Falta-lhes um elemento para completarem a tripulação. Queres ir?"

Não precisei de mais de 2 segundos para decidir que uma oportunidade destas surge apenas uma vez na vida.

Às 15h já estava a caminho do Algarve.

Ao fim da tarde chegámos e fui apresentado aos restantes elementos da tripulação: O Carlos Borges, skipper experiente e um personagem fora do vulgar. E dois irmãos, o António e o Carlos, um deles cirurgião e o outro arquiteto, ambos da família Teixeira Duarte.

Apresentaram-me o veleiro. Quando o vi fiquei surpreendido pela sua dimensão exígua. Afinal tratava-se de uma nau de 24 pés, ou seja, cerca de 7,3 metros, com lotação para 4 tripulantes.

Seria nesta casca de noz que iríamos arrostar com as intempéries do Oceano Atlântico, caso nos cruzássemos com alguma.



O Borges encarregou-me a mim e ao Carlos de irmos ao super-mercado comprar provisões baseados numa lista elaborada por ele e numa estimativa de 8 dias no mar.

Felizmente o Carlos provou ser um individuo sensato e assim comprou em dobro aquilo que o Borges tinha indicado. Seja como for, cerca de 50% dos "abastecimentos" consistiam em garrafas de Scotch e de cerveja. Em breve eu iria constatar a razão de ser de tamanha quantidade de álcool.

Arrumámos as provisões no veleiro e fomos dormitar um pouco.

Bem cedo de madrugada levantámo-nos do calor dos lençóis e preparámos o veleiro para zarpar. Iriam passar muitos dias antes que voltássemos a  sentir o conforto de uma cama lavada.

Às 5 horas estávamos a sair da marina, a caminho do cabo de S. Vicente em Sagres. A excitação da viagem era palpável no ânimo da tripulação.

Demorámos um dia inteiro até lá chegar, navegando sempre nas águas calmas do prolongamento do Mar Mediterrâneo.

A aventura começou verdadeiramente quando dobrámos o cabo e entrámos nas águas revoltas do Oceano. O La Licorne começou a saltar endemoninhado nas ondas que lhe batiam de frente. Quase imediatamente comecei a sentir-me extremamente enjoado. O estomago deixou de conter qualquer alimento, sólido ou líquido.

Passei pelas 3 fases do enjoo. Primeiro sentimo-nos simplesmente muito enjoados. Depois temos medo de morrer em breve. Ao fim de várias horas passamos a ter medo de nunca mais morrer.

24 horas assim são um suplício digno da imaginação de um torcionário de nível mundial, de um Torquemada ou de um Dr. Mengele.

Felizmente na manhã do dia seguinte a borrasca nas minha entranhas tinha milagrosamente passado, para não mais voltar.




Como se processa a vida a bordo?

Como somos quatro, fazemos turnos de 2 horas cada um ao leme, dia e noite.

Entendam-me bem: eu nunca tinha sequer posto os pés num veleiro em toda a minha vida, quanto mais navegar no Oceano. Tive que aprender rapidamente. Na verdade, dos meus 4 companheiros apenas o Skipper tinha experiência de mar. O André tinha um 420 com o qual fazia uns passeios junto à costa, mas em termos de experiência era tudo.

Por vezes é necessário içar o Estai (vela), noutras é preciso rizar a vela grande ou caçar a Genoa. Cambar (mudar de direção). Andar à bolina é ir contra o vento, algo que as velas triangulares permitem fazer.

Na verdade um veleiro moderno não é empurrado pelo vento, mas sim puxado, socorrendo-se do mesmo fenómeno que sucede na asa de um avião. A configuração das velas obriga o ar a ganhar velocidade na face anterior, o que diminui a pressão nessa face e aumenta na outra. É o diferencial destas duas pressões que origina a força motriz que desloca o veleiro.

Na maior parte do tempo não se faz rigorosamente nada a não ser olhar para o infinito ou conversar com os companheiros. Num veleiro de 7 metros não existe nenhum sítio para onde ir. Não temos outro remédio senão entendermo-nos bem com os restantes membros da tripulação.

Ao fim de alguns dias no mar já conhecemos a história de vida dos companheiros de trás para a frente. Apercebi-me rapidamente que esta é a razão de ser de tanto álcool a bordo. Não há mesmo muito para fazer a não ser beber.

Uma madrugada, quando estava eu ao leme e os companheiros estavam na cabina a dormir, sou cumprimentado pelo Borges que assoma à escotilha com uma garrafa de cerveja na mão. Bebe-a de um trago e pega numa fatia de pão de forma branco que ingere rapidamente. Subitamente vejo-o a mudar de cor. Mal tem tempo de se atirar à amurada e vomitar borda fora. Depois, mais recomposto, vira-se para mim com o ar mais sério do mundo: “esta fatia de pão branco deve-me ter feito mal…”

O veleiro é o mais minimalista possível. Por dento está todo descarnado. Não temos luz de presença por falta de bateria. Existe um pequeno motor fora de borda, mas gasolina é que não há muita.




Interior descarnado do La Licorne



Felizmente já se navega por GPS, mas o Borges continua a tomar nota nas cartas marítimas regularmente da nossa posição através de métodos mais ancestrais, recorrendo ao sextante, por segurança.

Nos primeiros dias sentimos sempre vento de oeste. Vamos navegando sempre à bolina, a um ritmo de tartaruga marinha, uns 4 ou 5 nós. Os 8 dias de viagem já parecem uma miragem.

Por vezes ocorre um incidente para animar a viagem. Um deles foi particularmente crítico, quando o Borges resolveu correr pelo tombadilho e escorregou caindo dentro de água. Apesar de irmos apenas a uns 5 nós, é impressionante a rapidez com que o La Licorne se afasta dele. O que há a fazer numa situação destas é garantir que um elemento da tripulação fixa permanentemente o homem que é necessário salvar enquanto os restantes executam a manobra do oito. Consegue-se assim que o navio passe junto ao sinistrado e então lança-se um cabo ou uma boia que ele agarra. 

Graças à (pouca) experiência do António, conseguimos recuperar o Borges. Suámos frio, não só pelo Borges mas por todos nós. Sem o Borges estávamos todos tramados. Não conseguiríamos navegar o veleiro a bom porto.

Noutra ocasião levámos em cheio com uma tempestade aterradora. Vento, chuva e ondas enormes durante horas seguidas. A visibilidade era tão má que da popa, onde nos encontrávamos os quatro bem juntinhos, não se conseguia ver a proa.

E quando é necessário deslocarmo-nos à proa para caçar o Estai, no meio de ondas de 6 metros? Nunca nenhum de nós se furtou a essa manobra e penso que isso foi essencial para ganharmos o respeito uns dos outros.

No mar surgem necessariamente conflitos, sobretudo em situações de grande stress. O respeito dos membros da tripulação uns pelos outros e a grande dependência que se cria são fundamentais para sanar as diferenças que surgirem. É muito importante que em determinadas ocasiões seja possível insultarmo-nos mutuamente, a fim de libertar a tensão.

Hoje em dia as empresas recorrem muito a boot camps para team-building. Garanto-vos que 13 dias no mar a arrostar com todo o espectro de condições meteorológicas, desde intempéries até calmaria, forja um espírito de equipa muito mais real.

No dia seguinte à tempestade, o mar parecia a planície alentejana, com montes a perder de vista. Largas ondas, muito lisas. É um fenómeno fascinante que nunca mais esquecerei.

E de facto, depois da tempestade lá estava a bonança. Durante dois dias inteiros não soprou a menor brisa. O sol torrava-nos a mioleira e o veleiro não saia do mesmo ponto, velas murchas, caídas. Perguntamo-nos se o vento chegará algum dia.

Aproveitámos para mergulhar no azul profundo do Oceano. É uma sensação única nadar numa coluna de água com alguns quilómetros de profundidade. A água da corrente do golfo é tépida, agradável.

O vento chegou novamente e com ele veio a chuva. Sentei-me à proa a levar com a chuva fria que caía de cima e com as ondas quentes que batiam na proa. Passei vários dias encharcado até aos ossos, em salmoura.

Ou torrávamos ao sol, ou vivíamos encharcados de água. Não havia meio-termo.

Por vezes passavam por nós grupos de golfinhos brincalhões, tartarugas marinhas e até um ou dois tubarões.
Lixo, também nos cruzávamos com bastante lixo, o que nos entristecia.

Ocasionalmente passava rápido à distância um enorme cargueiro, carregadinho de contentores.

De noite tínhamos que ter particular cuidado em não ser esmagados por um desses monstros. Apontávamos à vela com uma lanterna a fim de sermos vistos.

Ao fim de 12 dias finalmente avistámos a ilha de S. Miguel. Primeiro uma ténue sombra à distância. Depois foi crescendo ao longo do dia até finalmente passarmos ao largo. O objetivo era o Faial.

No entanto, bem antes de chegarmos ao nosso destino fomos confrontados por uma das célebres tempestades do canal. Novamente ondas do tamanho de pequenos prédios.

Apressámo-nos a fazer meia-volta em direção a S. Miguel. Sobreviver a uma tempestade já é uma sorte. Duas é uma improbabilidade.

Foi com indisfarçável alívio que atracámos em Ponta Delgada. Durante as horas seguintes continuei a senti o chão debaixo de mim a oscilar com as ondas. Que sensação estranha!

O André e o João decidiram ficar em S. Miguel. Apenas eu e o Borges e um irmão deles que nos esperava, o Pedro, seguiríamos para o Faial na madrugada do dia seguinte.

E assim foi, desta feita sem qualquer incidente, tendo finalmente atracado na famosa marina da Horta, após 13 dias de mar.



O Pedro e Borges no La Licorne, Faial



Marina da Horta





Ainda tive tempo de beber umas cervejas com o Borges no famoso Peter’s do Faial antes de apanhar o avião para Lisboa.




Eu a meio e o Borges à Direita.


Peter's


Ilha do Pico


Foi uma experiência estranhíssima fazer em sentido inverso em apenas duas horas a mesma viagem que tinha durado 13 dias…

A minha mulher, Helena, veio esperar-me ao aeroporto e assim que nos metemos no carro e entrámos na rotunda do aeroporto, eu ia sofrendo uma apoplexia. Os automóveis pareciam estar todos a precipitarem-se vertiginosamente para cima de mim. Foi mais assustador do que duas semanas no mar.

Toda a experiência lentificou a minha perceção do tempo e só após alguns dias, muito lentamente voltei ao habitual.


Tenho saudades daquela experiência de grande contemplação e meditação interior. Nas nossas vidas é raro termos oportunidade de estacar para apenas olhar o infinito. 







Eis aqui um vídeo de um Bénéteau First 24:







domingo, 3 de maio de 2015

Lisboa Triathlon






E pronto! Objetivo cumprido!

E tinha mesmo que cumprir, uma vez que alguns milhares de portugueses tinham testemunhado esta minha promessa num canal de TV nacional, a RTP Informação...



Há já alguns anos que este bichinho do Triatlo não me largava, qual grilo falante sempre a sussurar-me atrás da orelha, questionando quando é que me aventuraria neste novo desafio.

Em tempos participei em algumas (poucas) provas de natação de águas abertas. Gosto muito de nadar ao ar livre e de sentir o corpo a deslizar na água com o azul do céu por cima.

O envolvimento no Trail Running, e a agenda muito ocupada, tirou-me as veleidades de treinar para todas estas disciplinas.

Agora ao fim de 5 anos de Trail Running e com os miúdos já bastante mais crescidos, surgiu uma aberta para poder fazer treino mais diversificado. 

Decidi inscrever-me no fim de Outubro de 2014. E como gosto de começar logo em grande, resolvi que a distância seria mesmo a a do Half-Ironman, até porque tenho uma prova magnífica mesmo à porta de casa: o Lisboa Triathlon.

Consiste em 1,9 km de natação, seguido de 90 km de bicicleta e a acabar com 21,1 km de corrida. Metade da mítica distância do Ironman.

Fiz os treinos possíveis, dado que a minha atividade desportiva principal é mesmo o Trail. Tentei meter um treino semanal de natação, de 2,5 km, e um treino semanal de bicicleta. Inicialmente treinei com BTT, mas no dia do meu aniversário, em Dezembro, ofereci-me a mim próprio um Cannondale CAAD8, para começar a treinar como deve ser. Tive a felicidade de ter vários grupos de amigos que me convidaram para treinar com eles em diversas ocasiões. Treinar bike é muito mais divertido e proveitoso quando é feito em conjunto com um grupo divertido.

Como se vê no gráfico, Março foi um mês fraco para o treino de Traitlo pois estive  preparar-me especificamente para o MIUT - Madeira Island Ultra Trail.



Bem, o treino de Bike foi manifestamente insuficiente para ter uma boa prestação, mas o objetivo não passava por aí, mas sim por chegar ao fim e divertir-me pelo caminho.







A minha maior preocupação não dia anterior à prova não era propriamente a distância ou a minha capacidade para a cumprir, mas antes a logística! Como nunca tinha feito algo do género, perguntava-me a mim próprio se não me iria esquecer de algum material fundamental para algum segmento.

A minha inexperiência era tanta que acabei por fazer o segmento de natação com um fato de mergulho de 2 mm de neoprene em lugar dos fatos de Triatlo de 1 mm!

No dia 1 de Maio fui deixar a bicicleta, o capacete e os sapatos de encaixe na zona de transição, debaixo da Pala do Pavilhão de Portugal. Primeiro ainda tive que assinar o termo de responsabilidade, junto à zona da meta, e depois com esse documento levantar o dorsal e restante material no stand da Lexus e por fim levar a bike para a zona de transição.




Encontrei-me com uma série de amigos, entre eles o João Góis e o Bruno Bastos Silva, o Fernando Salvador, o Eduardo Ferreira, o Bruno Safara. 

Às 5h45 de dia 2 de Maio chegou finalmente a grande hora! Tive o tempo certo para tomar um pequeno-almoço aditivado com doses abundantes de torradas com mel, o meu "doping" de eleição.

Depois vesti o fato da bike, também ele manifestamente desadequado para o Triatlo, mas teria que servir. Até os ténis para o segmento de corrida, os meus velhinhos Adidas Adios Boost, já se encontravam fora de prazo de validade, esburacados e com a sola já demasiado massacrada. 

Fez-me lembrar o meu primeiro Trail, a Geira Romana, em Maio de 2010, 50 km em trilhos feitos com ténis de estrada. Enfim, da próxima vez já virei melhor equipado. Seja como for, não me parece que tenha tido qualquer influência sobre o meu rendimento ao longo da prova.

Às 7h00 já estava novamente na zona de transição a deixar o equipamento para os vários segmentos na cesta fornecida pela organização e colocada ao lado da bicicleta.






Foto de Christophe Silva 


Às 8h05 seria dado o tiro de partida para os atletas dos escalões superiores a 40 anos. Tinhamos todos uma touca cor-de-rosa que nos identificava.

Na zona junto à partida encontrei o António Anunciada que vinha fazer um upgrade da sua participação do ano passado na distância Olímpica. Encontrei ainda o Tiago Belo que já é repetente nestas andanças.

O segmento de natação consiste em duas voltas à doca, num total de 1.900 m





Às 8h00, depois da partida dos escalões anteriores, chamaram-nos para entrar na água e colocarmo-nos atrás da linha de partida.





Foto de Christophe Silva

Assim que deram a partida começámos todos a nadar que nem loucos em direção ao Oceanário. 





O segmento de natação é um pouco confuso pois somos frequentemente atropelados por outros nadadores que quase nos passam por cima. Para além disso existe a dificulade de nos orientarmos na água, mas nesta prova esse factor está minimizado pois praticamente basta seguir os que vão à nossa frente.








Cumpri a distância sem dificuldades de maior, em 38m27s, para além de engoliar alguns pirolitos na água cristalina do Tejo...

A saída foi feita de forma ordenada por um rampa lateral que subia para a zona da Pala.






Foto de Christophe Silva - eu e o meu Tribord de 2 mm ...





Tirei o fato isotérmico junto à minha bike, calcei as meias e os sapatos, peguei no sinto de géis, no porta dorsais e no capacete, e saí com a bicicleta na mão.






O segmento de bicicleta consiste em quatro voltas, num total de 90 km




O percurso é bastante plano, com apenas um subida ligeira na zona de regresso, com cerca de 1 km. 

Tentei manter um ritmo próximo dos 2 minutos por km, mas nem sempre foi possível, especialmente na subida e na última volta quando começámos a sentir um vento sul um pouco mais forte.





É impressionante a velocidade a que os atletas de elite passam por nós, comuns mortais. Parece que estamos parados.






Existia uma zona de abastecimentos, junto ao final de cada volta, onde aproveitei para ir comendo umas bananas, para além do meu gél por volta. Não necessitei de trocar o bidon de água pois ainda não estava calor. 






Ao fim de 3h13m50s cheguei novamente à zona de transição, desmontei da bike e levei-a até à zona de troca.

Troquei apenas os sapatos pelos ténis de corrida, coloquei o boné e saí para o último troço.

O segmento de corrida consiste em quatro voltas, num total de 21,1 km (meia-maratona).








Logo no início da minha primeira volta encontrei-me com o João Góis que já estava a começar a sua terceira. Está em grande forma! Fiz as minha duas primeiras voltas em conjunto com ele, o que foi bastante animador, pois permitiu-me manter um ritmo abaixo dos 5 minutos por km.






A corrida já foi feita com muito calor, ingeri os meus dois últimos géis e fartei-me de beber água. Felizmente o calor não me afeta muito e assim consegui manter um ritmo razoável, tendo demorado 1h37m50s.


Vencedora feminina






Cruzei a meta 5h37m04s depois de ter iniciado a prova, o que me deixa bastante satisfeito pois embora seja um tempo mediocre para atletas experimentados (fiquei em 499 num total de 670 finishers), para primeira experiência não me parece nada mal. De qualquer forma para mim o mais importante mesmo foi ter terminado e apreciado cada minutos desta nova experiência.



Classificação no Escalão:



Classificação na Geral:



Swim: 00h38m27s
PT1:    00h03m58s
Bike:   03h13m50s
PT2:    00h03m00s
Run:    01h37m50s
Total:  05h37m04s








Nota-se bem que o segmento que tenho que trabalhar mais é o da bicicleta. Esse é também o segmento que exige maior disponibilidade de tempo para treinar, o que vai ser um desafio para mim uma vez que já gasto muito tempo ao fim-de-semana com os treinos longos de Trail na Serra.

Seja como for, estou convicto que no futuro mais altos voos surgirão, caso consiga encontrar o tempo necessário para preparar um Ironman como deve ser. Isto de ser meio-qualquer-coisa não combina muito comigo.



Análise comparativa


Nos gráficos seguintes compara-se os tempos de todos os participantes, nos vários segmentos. A linha a vermelho é a Mediana (50% de participantes abaixo desse tempo). O ponto a vermelho é o meu tempo.

Mais uma vez: tenho mesmo que trabalhar o segmento de bicicleta!


Tempo Total


Segmento de Natação


Segmento de Bicicleta


Segmento de Corrida




Vencedores masculinos do Lisbon Triathlon:









Vencedores femininos do LisboaTriathlon:







Notícia da Federação de Triatlo de Portugal


Trailer de 2015





Com este, estão cumpridos os 2 primeiros objetivos desta época desportiva.