sexta-feira, 13 de maio de 2011

4º AXTrail series 2011

AXTrail series 2011 - Circuito de trail running nas Aldeias do Xisto

 

#01 SERIE - Foz de Alge / Ferraria de São João (10-04-2011)

 

 

 

O que se pode dizer acerca da primeira série do AXTrail? Numa frase lapidar: fiquei adepto!
O fim-de-semana iniciou-se com uma estadia muito agradável na Casa de Xisto “Zé Sapateiro,” cujos proprietários revelaram ser extremamente atenciosos. Eu, o Zé Carlos Santos, o Emanuel Oliveira e o Paulo Jorge Rodrigues trouxemos a família, tendo as três primeiras famílias pernoitado neste turismo rural enquanto que o Paulo e a mulher dormiram em Figueiró dos Vinhos.
 Após um pequeno passeio pedestre pela vila, fomos jantar no restaurante “Varanda do Casal”, na Aldeia do Casal de S. Simão, onde nos deliciámos com um repasto feito à base das especialidades locais (em especial um enchido denominado Maranhos) e um bom vinho regional (deveria ser considerado doping :-). No restaurante encontrámos o José Moutinho, Grão-Mestre da Confraria Trotamontes e co-organizador da prova, que nos enriqueceu e divertiu com as muitas histórias e conhecimentos do trail de que é pródigo. Terminado o agradabilíssimo convívio voltámos aos nossos aposentos para uma boa noite de repouso.
O dia seguinte iniciou-se com um pequeno-almoço substancial seguido da deslocação por autocarro para a Foz do Alge onde a prova tem início. Os vários autocarros foram trazendo os diferentes grupos e fomos aproveitando o compasso de espera para confraternizar e ficar a conhecer melhor os companheiros de aventura. Eu tive a feliz oportunidade de rever um companheiro do Trail de Sicó, o Luís Ricardo, de Portalegre, que se viria a revelar um companheiro valoroso na presente prova. Outra das diferenças muito significativas do trail relativamente à estrada é que o companheirismo e os laços que se criam são mais densos e ricos. Para mim, nado e criado em Lisboa, é particularmente interessante conviver com malta proveniente de todo o país.
Tal como o site da prova indica, trata-se de “uma prova de 31 km de uma paisagem soberba e uns trilhos fantásticos, na companhia da Ribeira de Alge e com passagem pelas Aldeias do Xisto do Casal S. Simão e Ferraria S. João.” Ou seja, para além de se realizar num trajecto de inigualável beleza, percorrendo “paisagem de conto de fadas,” Aldeias de Xisto, fragas e montes, ainda se usufrui da companhia de um grupo de “loucos que correm” literalmente embrenhados numa mesma aventura.
Tínhamos sido avisados que os primeiros 20 km iriam ser muito mais duros do que o perfil altimétrico indicava, uma vez que o terreno era bastante “virgem” obrigando a “saltinhos” constantes, sem grande visibilidade para o terreno à nossa frente. Esse aviso veio a revelar-se profético, e a certa altura eu sentia-me como se estivesse a correr nas selvas do Vietname, entrevendo fugazmente uns atletas à minha frente e ocasionalmente ouvindo vozes fantasmagóricas atrás de mim. Quando cheguei finalmente ao quilometro 20 e saí da “selva” é que finalmente me apercebi do estado lastimável em que as minhas pernas se encontravam, faltando ainda cerca de 11 km para terminar (ao olhar para o meu Garmin, verifiquei espantado que marcava já mais de 700 m de desnível positivo)! Foi nestes últimos quilómetros que o apoio moral do Luís Ricardo se revelou fundamental para que eu prosseguisse até ao fim destes duríssimos quilómetros finais. Prosseguimos juntos, subindo a passo os 450 m até à cumeada da Serra do Espinhal e depois descemos abruptamente até Ferraria de S. João onde cortámos a meta em simultâneo, junto ao centro de BTT. Depois almoçámos o churrasco preparado pela organização.
Malgrado o pequeno e irrelevante atraso inicial, a organização esteve impecável em todos os aspectos.
Gostaria de realçar também as provas magníficas dos meus companheiros.
Relativamente à prova do Emanuel não há muito a dizer: fez a sua habitual corrida a um ritmo certinho, inteligente e muito eficaz, tendo alcançado um excelente 30º lugar da geral.
O Zé Carlos demonstrou mais uma vez a fibra de que é feito, ao prosseguir inabalavelmente, mesmo sob fortes dores, após uma entorse mal-afortunada que contraiu mal tinha percorrido 12 quilómetros. Encontrei-o cerca do quilómetro 14 e já vinha em grande sofrimento. Perguntei-lhe se não queria que permanecesse com ele, mas negou-se terminantemente a abandonar a prova ou a atrasar quem quer que fosse. Aliás, tal não seria possível suceder pois volto a encontrá-lo novamente ao quilómetro 20, para surpresa minha, pois embora não duvide das enormes qualidades atléticas do Zé, correr com a bem visível “batata” que ele já carregava no tornozelo já me parecia algo sobre-humano. A subir continuava imparável, sendo as descidas o que mais lhe custava. E nem esta derradeira oportunidade de parar e dar o devido descanso ao tornozelo muito massacrado ele aproveitou. Subiu imparável até à cumeada da Serra do Espinhal e só terminou na meta num mui-honroso 52º lugar em 132 finalistas e 5º no seu escalão com 4:17:56. Este homem é mesmo feito de aço!
O Paulo Jorge esteve também em grande, e só o facto de ter completado um trail com este nível de dificuldade, tendo-se iniciado na corrida há tão pouco tempo, é um sinal inequívoco da persistência e força de vontade do Paulo. Mas deixo-vos com as suas próprias palavras e julgo que ele perdoará a inconfidência:
“Para mim a prova teve 2 partes, até perto do km 20 correu-me muito bem, depois, perdi-me e fiz mais 4,5 km mas o pior foi que os últimos 9 tive cãibras fortíssimas como nunca tinha tido, o que me obrigou a fazer esses últimos kms a andar e a parar a cada cãibra, ainda não percebi muito bem o porquê pois não me sentia nada cansado e estava a correr-me mesmo muito bem.
(…) Foi um excelente fim-de-semana, começando no agradável jantar e prolongando-se com a prova e nós ainda ficamos para segunda-feira onde aproveitamos para conhecer um pouco mais da zona. Pena o acidente do Zé Carlos para ensombrar o fim de semana…eu nem queria acreditar quando ele me disse que ainda fez os 19km naquele estado e que ainda foi ter contigo e com o Helder!...”
Para terminar esta saga, faço coro com o Paulo Jorge: “Sem duvida um fim-de-semana a repetir!”

Sem comentários:

Enviar um comentário