domingo, 11 de novembro de 2018

Pai



Avô e Pai



Bateu cá uma saudade...



O meu Pai faleceu no domingo dia 18 de fevereiro de 2018, aos 83 anos, após 5 anos de luta constante (dele e da minha Mãe) contra as sequelas de um AVC.



Conjunto de emails trocado com um grupo de amigos próximos:


09/02/2018, 6ª feira, 16:47

«Segundo a médica especialista, os Cuidados Paliativos têm de ser “um direito de todas as pessoas” quando estão em situações de doença grave e de sofrimento porque a eutanásia não é a resposta para o sofrimento e a medicina tem respostas.»
«Às pessoas que estão em sofrimento e em fim de vida é preciso ter-se “muito mais” para oferecer “do que a morte” que é “profundamente redutor, retrogrado e ultrapassado”.»
O que é que ela terá para oferecer?


10/02/2018, Sábado, 7:12

Estou um pouco mais suscetível a estas temáticas porque o meu Pai está a morrer numa cama de hospital.
Foi internado na 3ª feira dia 30/01 com desidratação e falência renal e desde então só tem piorado. Já não dá acordo de si. Ontem os médicos disseram-me que os orgãos estão todos a entrar em falência. Nem era necessário terem-no dito pois bastava estar à cabeceira da cama para perceber o que se passava.
Ontem, quando ia a caminho do Hospital de Cascais para o visitar, tive a pouca sorte de ligar o radio e ouvir a Srª Drª Deputada perorar contra os facilitismos de deixar morrer as pessoas que não têm a coragem de enfrentar a dor da sua existência (não terá sido isto textualmente o que ela disse, mas o teor era este, ou pelo menos, certo ou errado, foi isto que eu ouvi), deu-me cá uma vontade de inverter marcha e a ir procurar no Hospital, no Parlamento ou nalguma festa da Quinta do Marinha, para lhe enfiar duas galhetas bem enfiadas.



10/02/2018, Sábado, 11:50

Na minha curta vida, já vi dois tipos de moribundos. O meu avô materno, que morreu semiconsciente e calmo. E o meu pai, que está inconsciente, mas cujo corpo se recusa a morrer.
Gosto muito do (mais famoso) poema do Dylan Thomas, acerca da morte, mas parece-me que falha completamente o ponto.

Esta estrofe em particular:



Though wise men at their end know dark is right,
Because their words had forked no lightning they
Do not go gentle into that good night.
(Análise de um especialista: “even though smart people know death is inevitable (line 4), they don't just accept it and let themselves fade away (line 6), because they may not have achieved everything they were capable of yet (line 5)”)


O que eu vejo é um corpo que resiste à morte, dê por onde der, mesmo quando a mente já foi.

Não tem nada de nobre, nem de edificante. É apenas a vida a lutar contra a morte. A mente consciente não tem nada a ver com essa luta.

Um parêntesis:
O poema declamado pelo Sir Anthony Hopkins está divinal:

https://www.youtube.com/watch?v=ESWzPhZWYeI


Do not go gentle into that good night
Dylan Thomas, 1914 - 1953

Do not go gentle into that good night,
Old age should burn and rave at close of day;
Rage, rage against the dying of the light.

Though wise men at their end know dark is right,
Because their words had forked no lightning they
Do not go gentle into that good night.

Good men, the last wave by, crying how bright
Their frail deeds might have danced in a green bay,
Rage, rage against the dying of the light.

Wild men who caught and sang the sun in flight,
And learn, too late, they grieved it on its way,
Do not go gentle into that good night.

Grave men, near death, who see with blinding sight
Blind eyes could blaze like meteors and be gay,
Rage, rage against the dying of the light.

And you, my father, there on the sad height,
Curse, bless, me now with your fierce tears, I pray.
Do not go gentle into that good night.
Rage, rage against the dying of the light.



Recitado pelo próprio autor:

https://www.youtube.com/watch?v=g2cgcx-GJTQ&feature=youtu.be


Lá está, o poema é descrito da seguinte forma:

"A rapturous ode to the unassailable tenacity of the human spirit by the Welsh poet Dylan Thomas (October 27, 1914–November 9, 1953)."
Misses the point.
O próprio Dylan Thoms morreu tragicamente:


«In early November of 1953, as New York suffered a burst of air pollution that exacerbated his chronic chest illness, Thomas succumbed to a round of particularly heavy drinking. When he fell ill, Reitell and her doctor attempted to manage his symptoms, but he deteriorated rapidly. At midnight on November 5, an ambulance took the comatose Thomas to St. Vincent’s Hospital in New York. His wife, Caitlin Macnamara, flew from England and spun into a drunken rage upon arriving at the hospital where the poet lay dying. After threatening to kill Brinnin, she was put into a straitjacket and committed to a private psychiatric rehab facility.»

É um bom contraponto. Como disse um amigo meu, “a realidade é tramada”





10/02/2018, Sábado, 21:44


Vim do hospital agora e hoje houve um desenvolvimento de que eu não estava à espera: ele estava consciente. Pelo menos na medida em que uma pessoa com sequelas de um AVC profundo consegue estar consciente (o que é isso da consciência?).
As patologias mentais são fodidas. O cancro é fodido, mas não há nada como um problema grave na caixa dos pirolitos para nos deixar completamente desconcertados. Com uma pessoa com cancro sabemos instintivamente como lidar. Com uma pessoa cujo cérebro não funciona normalmente e que portanto não nos devolve as emoções que estaríamos à espera (boas ou más) ficamos desarmados.



Acerca das doenças mentais, ver minuto 4:30
https://www.youtube.com/watch?v=TIcf-2AFHgw

(" Stanford Professor Robert Sapolsky, posits that depression is the most damaging disease that you can experience. Right now it is the number four cause of disability in the US and it is becoming more common. Sapolsky states that depression is as real of a biological disease as is diabetes.")


Mas o que é certo é que ele tinha os olhos abertos e pela reação dos olhos quando me viu, estou convencido de que me reconheceu.

Desde que teve o AVC em Janeiro de 2013, esta é a 4ª vez que é internado.
Em duas dessas vezes (na 1ª e agora nesta) os médicos afirmaram que ele iria morrer. As outras duas foram internamentos com pneumonia.

Foda-se, isto é um carrossel do caralho. Estou para ver quantas vezes é que uma pessoa aguenta fazer o luto do mesmo ente familiar querido.


A primeira vez está descrita no meu blog de corridas:
Eis aqui a descrição da altura:

O ano que passou (2013) foi um ano muito difícil, por variadas razões.

Quando se chega aquele período médio da vida, em que já não somos jovens, mas também ainda não somos velhos, ou pelo menos não é assim que nos vemos, temos tendência a fazer um balanço daquilo que foi e perspetivar aquilo que ainda poderá ser.

Quando um dos nossos pais sofre um encontro tangencial com a Ceifeira de Vidas e se safa por uma unha negra, apercebemo-nos a um nível visceral de que nem eles nem nós vamos durar para sempre.

Na noite de 4ª feira, dia 23 de janeiro, quando recebi um telefonema da minha mãe, apercebi-me logo pelo tom de voz dela que algo estava muito errado. O meu pai estava inconsciente, a ambulância já lá estava e eles iam levá-lo para o hospital S. Francisco Xavier. Dirigi-me logo para lá para encontrar-me com a Mãe e ainda o consegui ver, em coma, entubado (ventilado). Fizeram-lhe um TAC, que revelou um AVC hemorrágico muito extenso,  e os médicos disseram-nos que havia a possibilidade de ele não passar das primeiras 24 horas.

No dia seguinte fizeram-lhe um orifício no crânio para drenar o sangue que se acumulava nos ventrículos cerebrais.  Nos próximos 5 dias mantiveram-no num coma induzido até ser seguro baixar os sedativos.  A minha mulher, Helena, que é médica, viu o TAC e recordo-me bem das lágrimas que lhe acorreram aos olhos ao verificar a extensão da zona afetada.

Acordou com o tubo do ventilador enfiado na garganta e não conseguíamos comunicar com ele. Depois apanhou uma pneumonia. No dia 1 de fevereiro foi retirado dos cuidados intensivos para os cuidados intermédios da enfermaria de neurocirurgia do Hospital Egas Moniz. Durante vários dias tentava falar, mas não saia nada. Era aspirado frequentemente, o que é um procedimento muito desagradável e incómodo, mas necessário. Tinha apneia do sono. Ritmo cardíaco elevado. Estava medicado para a tensão. Não me reconhecia.

No dia 14 de fevereiro mudaram-no para um quarto da enfermaria de neurocirurgia. Nesse dia finalmente reconheceu-me. É impossível exprimir a alegria e o alento que isso me deu. Ele estava a ter uma recuperação muito para além de todas as nossas melhores esperanças.

Ainda esteve mais uma semana no HEM até que foi transferido para o Hospital Residencial do Mar, o Hospital onde a Helena trabalha, para uma cama de cuidados continuados. Aí esteve internado até ao dia 1 de junho. Beneficiou de excelentes cuidados prestados por uma equipa multidisciplinar muito competente, que muito o ajudou a evoluir numa recuperação para além de todas as nossas expectativas. Durante todo esse tempo o papel da minha mulher foi inestimável no apoio ao meu pai.

Foi no entanto um carrossel emocional que durou vários meses e afetou muito o meu estado de alma.




11/02/2018, Domingo, 5:47

O velhote sobrevive dia após dia com a boca bem aberta a tentar enfiar o máximo de oxigénio possível para dentro dos pulmões (o ruído faz lembrar uma chaleira com água a ferver).
Se ele de facto estiver consciente, então eu preferia que não estivesse.



11/02/2018, Domingo, 9:12

https://www.youtube.com/watch?v=SjuZq-8PUw0


HAMLET

To be, or not to be? That is the question—
Whether ’tis nobler in the mind to suffer
The slings and arrows of outrageous fortune,
Or to take arms against a sea of troubles,
And, by opposing, end them? To die, to sleep—
No more—and by a sleep to say we end
The heartache and the thousand natural shocks
That flesh is heir to—’tis a consummation
Devoutly to be wished! To die, to sleep.
To sleep, perchance to dream—ay, there’s the rub,
For in that sleep of death what dreams may come
When we have shuffled off this mortal coil,
Must give us pause. There’s the respect
That makes calamity of so long life.
For who would bear the whips and scorns of time,
Th' oppressor’s wrong, the proud man’s contumely,
The pangs of despised love, the law’s delay,
The insolence of office, and the spurns
That patient merit of th' unworthy takes,
When he himself might his quietus make
With a bare bodkin? Who would fardels bear,
To grunt and sweat under a weary life,
But that the dread of something after death,
The undiscovered country from whose bourn
No traveler returns, puzzles the will
And makes us rather bear those ills we have
Than fly to others that we know not of?
Thus conscience does make cowards of us all,
And thus the native hue of resolution
Is sicklied o'er with the pale cast of thought,
And enterprises of great pith and moment
With this regard their currents turn awry,
And lose the name of action.



11/02/2018, Domingo, 9:59
 
Resposta de um amigo:
“Menos Shakespeare e mais Monty Python são as recomendações da direcção geral de saúde”



11/02/2018, Domingo, 14:42

Excelente recomendação!! Por uma vez, vou aceitar essa recomendação

Seja Monthy Phyton então:


https://www.youtube.com/watch?v=NcHdF1eHhgc


“I see you have the machine that goes 'ping!'. This is my favourite. You see, we lease this back from the company we sold it to - that way it comes under the monthly current budget and not the capital account.”

"- Is it a boy or a girl?"
"- Well it's a little early to start imposing roles on it, don't you think?"

E isto também:



12/02/2018, 2ª feira, 15:42

Eu estou a trabalhar.
A minha Mãe está no Hospital com o meu Pai.
Ela mandou-me isto pelo WhatsApp:

"O antibiótico de largo espectro não está ainda a fazer efeito, apesar da hidratação o sódio não tem baixado, o quadro clínico é igual ao de sexta. Têm tentado que esteja o mais confortável possível. Prognóstico reservado."


Ele deu entrada no Hospital de Cascais no dia 30/01, com desidratação, falência renal e uma infeção urinária.

Depois ficou diabético e apanhou uma pneumonia.

Isso tudo conjugado com as sequelas do AVC, a hipertensão, a fibrilhação auricular e anti-coagulação não dão um prognóstico muito famoso.



12/02/2018, 2ª feira, 16:13

Esta noite vou-me encharcar para aqui:

Pátio do Sol, Carnaval com Ena Pá 2000






15/02/2018, 5ª feira, 18:13

Entrámos na fase dos cuidados paliativos. O médico falou connosco, para saber qual a nossa posição acerca de mudarem o objetivo clínico, da cura para o maior conforto possível do paciente.
Tanto eu como a minha mãe somos a favor. O que eu quero é que lhe tirem a sonda do nariz e as outras tretas que para ali têm. O antibiótico acaba hoje.
Ironicamente, ele ainda nunca tinha estado tão desperto como hoje. Acorda, reconhece-nos, estou certo disso, e tenta comunicar, mas não consegue.
No entanto, não sei até que ponto ele consegue orientar-se no espaço, no tempo, ou sequer reconhecer a situação em que está.  Mas que reage de uma forma totalmente aflitiva, isso reage.
Caracterizar a morte como um momento é acertar complemente ao lado, pelo menos em grande parte dos casos. É mais um processo. Sorte tem quem morre de morte fulminante.


"Somewhere some lucky bastard is having a heart-attack."





16/02/2018, 6ª feira, 13:13 

O dilema que nos corroí é mesmo este. Tanto na vida como na morte:

“It sucks when you know that you need to let go, but you can´t, because you are still waiting for the impossible to happen.”




16/02/2018, 6ª feira, 14:16

Outro equívoco (num escritor fantástico):

“Quando o Alma-Grande entrou, o Isaac estava no auge de um combate que quase sempre se trava de corpo extenuado. O inimigo era uma parte de si mesmo apostada em perdê-lo. E a outra metade, um pedaço de ser nobre e agradecido à seiva, corajosamente defendia o resto da muralha. As bagadas pelas têmporas abaixo e um ritmo apressado da respiração davam sinal desta guerra. Mas de nada mais precisava, quem olhasse com limpos olhos humanos, para sentir a grandeza e a solenidade de tal hora.”
Miguel Torga, Novos Contos da Montanha

Grandeza? Solenidade?



17/02/2018, Sábado, 8:44

"Aquela música brasileira que ri e que chora"
Génio
"Tudo bem, mas primeiro tem que colocar a voz..."
:-)






18/02/2018, Domingo, 22:59

Faleceu hoje, às 18h30, quando eu estava a subir para o quarto de hospital para o ver.
Felizmente cheguei a tempo de amparar a minha mãe.





19/02/2018, 2ª feira, 10:03

Na 5ª feira ainda teve muitos momentos de consciência em que nos reconhecia e se notava perfeitamente que se emocionava (tanto nós como os enfermeiros e os médicos sentimos isso).
Estou convicto que perto do fim ele soube o que lhe estava a acontecer.
No sábado já estava completamente agónico. Era palpável que não demoraria muito.
Ontem quando cheguei ao quarto, ele tinha acabado de morrer.
O aspeto de um cadáver recém-falecido não tem nada a ver com o corpo arranjadinho que se vê nos velórios. Até a enfermeira estava impressionada.
A morte não é bonita.
O que é bonito é aquilo que os mortos deixam em nós.



O meu Pai tinha um sentido de humor muito semelhante ao meu (ou vice-versa).
Foi algo que partilhámos ao longo da vida e que nos uniu.

Acho que este sketch dos Monty Python vai de encontro a essa nossa forma de ver o mundo.

https://www.youtube.com/watch?v=1f-kfRREA8M&t=6s




sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Escritos dispersos







“Red Smith was asked if turning out a daily column wasn’t quite a chore. “Why, no,” dead-panned Smith. “You simply sit down at the typewriter, open your veins, and bleed.”

-            Walter Winchell







Entalado

Estava para aqui sossegado, profundamente absorto na poesia do Herberto Hélder, quando subitamente me lembrei que tenho que ir lavar as casas de banho. E assim passo os dias, entalado entre o sublime e o escatológico...







Turismo

Nos tempos que correm, quiçá para cavalgar a onda da nova invasão dos visigodos, todo o Luso que se preze abre um sushi bar, um boutique restaurant, ou um cantinho de gourmet food.
Eu tenciono abrir uma Tasca à Antiga Portuguesa, com empregados sebosos, malcriados e a cheirar a aguardente, e vou servir pezinhos de coentrada, febras, bifanas e couratos, em condições de higiene pré-ASAE, tudo acompanhado com copos de três de um tinto tão espesso e opaco que os bárbaros vão conseguir pentear-se no reflexo. Vai ser um tremendo sucesso.






Imobiliário

Agora que o negócio do imobiliário está uma loucura (está tudo doido), resolvi pôr à venda umas propriedades de família. 

Neste momento nada melhor do que colocar anúncios diretamente em Paris, França; Luanda, Angola; S. Paulo, Brasil; ou Xangai, China.


O anúncio Francês já está pronto. Acho que vou pedir uns 3 milhões de euros pela propriedade:

«Château avec jardin, traversé par un ruisseau d'eaux cristallines, vue sur les étoiles et scie de Montejunto, tons de rose, mansarde et facteur très dédié. Divers faune et flore.
Haute valeur historique Le général Masséna dormait lui-même dans la suite présidentielle en septembre 1810.»


Tradução:
«Castelo com jardim, atravessado por um riacho de águas cristalinas, vista das estrelas e da Serra de Montejunto, tons de rosa, sótão, e feitor muito dedicado. Fauna e flora diversificada.
Elevado valor histórico. O general Masséna dormiu na suite presidencial em Setembro de 1810.»








Moura Guedes

Meus companheiros e amigos, amantes do desporto ao ar livre, na vertente de corrida.
Espero que não se ofendam se, humildemente, vos disser que estão (quase) todos a pegar neste tema pelo lado errado.
Em vez de se incensarem com o conteúdo, que é manifestamente pobre, deveriam antes atentar à forma, que é ainda mais pobre.
Como diria o sublime Oscar Wilde, "É absurdo dividir as pessoas em boas e más. As pessoas ou são charmosas ou entediantes."
E o discurso desta senhora é deveras entediante. Pode-se mesmo dizer que “está fraquinho”. Sobretudo para uma pessoa que exerceu profissionalmente o metier de jornalista durante anos a fio.
Não questiono os seus instintos. Eu próprio por vezes também me sinto assoberbado pelos meus “piores instintos”, sobretudo no meio do trânsito alfacinha em hora de ponta. Mas é raríssimo o motivo da minha indignação ser o comportamento dos pedestres. Normalmente reservo a minha animosidade para os condutores e julgo até que eles têm todo o direito a tomar-me como alvo preferencial da sua, se eu me começar a comportar como uma alimária enraivecida.
Enfim, parece que nem perdeu tempo a estruturar um texto com alguma elegância, com alguma elevação e donaire. Possivelmente terá digitado a diatribe enquanto se encrespava contra a alegria alheia no conforto e segurança do seu automóvel.
Mas mesmo nessas circunstâncias poderia ter alinhavado um parágrafo espirituoso, irónico ou mordaz. Assim ficou ao nível do “vai trabalhar malandro” de que eu próprio já fui alvo ao participar numa das tais “maratonas pela cidade”.








Beijos

Malta,
Das duas uma, ou escrevem tudo com abreviaturas ou tudo sem elas.
Deixem de escrever apenas 'Bjs' para rematar um sms ou um email onde não consta qualquer outra abreviatura.
Beijos há muitos. Há-os apaixonados, fogosos, atrevidos, violentos, repenicados, demorados, falsos, protetores, carinhosos, amigos, fugazes, tangenciais, tímidos, saudosos, e até os há que nunca saíram do armário.
Ora 'Bjs' cai na categoria do 'não me quero comprometer'. Não são beijos de corpo inteiro, dos quatro costados, mas também não são meros 'cumprimentos' formais. São mais como o 'despeço-me com amizade' da contemporânea correspondência escrita.
Se querem enviar beijos, sejam explícitos, independentemente de ser beijo de amizade ou de paixão, senão despeçam-se com amizade como o Engenheiro Sousa Veloso que era de um tempo de correspondência escrita em papel e tele-difusão em broadcast.
Beijos.


Traduzido pelo Google:
Mlta
Ds 2 uma, ó escrvm td c/ abrvtras ó td 100 elas
Dexem d escrvr Bjs no fim d1 sms ou d1 E-M* 100 qqs otras abrvtras
Bjs há mts. :-*, :-*, :-*, :-*, :-*, :-*, :-* e ainda :-*
Ora, bjs só assm, n1 sms ou n1 E-M* td ele por extnso, ñ é nada
ce kérem envr bjs, nviem c/o dve ser
Bjs

:-*