sábado, 27 de abril de 2013

III Ultra Trail de Sesimbra



Poderia escrever uma crónica nos moldes habituais, em que descrevo o que se passou antes, durante e depois da corrida, os momentos mais altos e os momentos mais baixos, as dificuldades sentidas e a euforia em as ultrapassar, a adrenalina da competição, etc, etc... mas prefiro falar antes de outra coisa muito mais importante.


Atletas serpenteando pela Serra


Nos últimos meses passei por uma fase menos boa da minha vida, devido a um problema de saúde do meu Pai. Foram alguns meses de um carrocel emocional muito intenso, em que passei muito tempo em diversos hospitais, a acompanhar o meu Pai.

Normalmente a corrida e sobretudo os Trails contribuem decisivamente para a minha paz de espírito, mas nesta fase tive que abdicar bastante desse paliativo. Tive também que cancelar a minha participação em várias provas de Trail Running.

Felizmente o meu Pai tem vindo a melhor imenso, o que é uma enorme fonte de alegria e me permite andar mais tranquilo.



Briefing da partida, com Eduardo Santos


Assim, o III Ultra Trail de Sesimbra foi o primeiro Trail em que participei neste ano de 2013. Mais uma vez adorei a prova, mas, acima de tudo, adorei reencontrar-me com pessoas que já não via há algum tempo.

Regra geral, a gente do Trail é muito acolhedora, as amizades são muito fáceis de formar e as pessoas são fáceis de gostar. O convívio depois da prova foi inestimável, revigorante, enriquecedor, exaltante mesmo. Enquanto esperava na fila para a massagem, e enquanto bebia umas imperiais bem fresquinhas, fui conversando com diversos companheiros, o Renato Velez, o Ricardo Diez, o João Colaço, o Eduardo Santos,  o Hélder Melo. Cá fora rencontrei  o Paulo Costa, o Bruno Fernandes, o Miguel Baptista, o Nuno Silva, o Luís Mota.

Antes da prova já tinha conversado com o Peter Cooper, com o Teodoro Trindade e com o Ricardo Maia.

Durante a prova cruzei-me com o Alexandre Cunha, o  João Faustino, o Guilherme Hora, o Jorge Serrazina, entre outros.

Na praia reencontrei o João Mota, o Manuel Azevedo, o António Neto, e muitos outros que não vou nomear aqui senão não me cabem na crónica.

Para além de tudo, foi ainda um belíssimo dia de praia, como ainda não tinha havido no presente ano, passado na companhia da minha mulher e dos meus dois filhos. Que melhor dia poderia eu desejar?




   
Os miúdos dentro de água   





Missão cumprida!



Sem comentários:

Enviar um comentário