Andorra Ultra Trail VallNord - Ronda dels Cims 2019 - Postscript

Views





Pastelaria


Afinal o que importa não é a literatura
nem a crítica de arte nem a câmara escura

Afinal o que importa não é bem o negócio
nem o ter dinheiro ao lado de ter horas de ócio

Afinal o que importa não é ser novo e galante
- ele há tanta maneira de compor uma estante!

Afinal o que importa é não ter medo: fechar os olhos frente ao precipício
e cair verticalmente no vício

Não é verdade, rapaz? E amanhã há bola
antes de haver cinema madame blanche e parola

Que afinal o que importa não é haver gente com fome
porque assim como assim ainda há muita gente que come

Que afinal o que importa é não ter medo
de chamar o gerente e dizer muito alto ao pé de muita gente:
Gerente! Este leite está azedo!

Que afinal o que importa é pôr ao alto a gola do peludo
à saída da pastelaria, e lá fora - ah, lá fora! - rir de tudo

No riso admirável de quem sabe e gosta
ter lavados e muitos dentes brancos à mostra

- Mário Cesariny, in 'Discurso Sobre a Reabilitação do Real Quotidiano'







Chegou a hora de fazer o habitual rescaldo, ou post-mortem, da prova.

Sendo cientista de formação e engenheiro de profissão, e tendo o fetiche dos números, não resisto a usar tabelas e gráficos para fazer a análise.

Mas primeiro começo pela informação generosamente coligida pelo Orlando Duarte.

As seguintes palavras são da sua lavra:


«

Ronda Dels Cims 2019

Uma Ultra em Trilhos à volta de todo o Principado de Andorra, através do ponto mais alto, o pico de Comapedrosa a 2942 m, ao longo da fronteira. Sob a lua cheia durante os dias mais longos.

170 km com 13.500D+

Partida do centro de Ordino

16 picos acima dos 2400 m

Altitude média: 2,085 m

Percurso por zonas panorâmicas de alta montanha alternando por zonas rochosas e glaciares, pradarias de alta montanha e bosques

Algumas secções totalmente em cumes rochosos

13 estações de ajuda (abastecimentos)

451 Inscritos: 418 homens e 34 mulheres / 7.5%

335 veteranos: 309 homens e 26 mulheres / 7.8%

116 seniores: 108 homens e 8 mulheres / 6.9%

32 países


ARMADA LUSA na RONDA DEL CIMS 2019

35 portugueses: 33 homens e 2 mulheres / 5.7%

Ana Paula Santos
André Castro
António Arede
António Pinto
António Soares
Armando Teixeira
Bruno Fernandes
Carlos André
David Quelhas
Diogo Simão
Flávio Francisco
Gil Rocha
Gonçalo Valente
Gustavo Pessa
Hélder Pinto
Hugo Brito
Jennifer Alves
João Borge
João Miguel Quintal
Luis Carmo
Luis Matos Ferreira
Luís Oliveira
Luis Onca
Luís Ribeiro
Marco Filipe
Nélson Sousa
Nuno André
Paulo Alves
Paulo Ferreira
Paulo Gil
Pedro Batista
Salvador Oliveira
Sergio Freitas
Telmo Dourado
Vitor Pereira



ARMADA LUSA na RONDA DEL CIMS
170 KM / 13.500D+

35 inscritos
32 à partida: 30 homens e 2 mulheres
20 Finalistas: 19 homens e uma mulher!
Bravo, Campeões!






A Ronda Del Cims começou em 2009 com 90 km e 5500D+

O vencedor foi o grande Kilian Jornet.

Teve 254 Finalistas e nenhum era português. Embora Pedro Basso estivesse na linha de partida.

Em 2010 passa para 112 km e 9700D+. Tem 98 Finalistas e não há registo de participação portuguesa.

Em 2011 passa para as míticas 100 milhas e tem 46 Finalistas. Neste ano começa a participação regular da Armada Lusa. Tem um único Finalista português: João Hora Faustino. Célia Azenha e Jorge Serrazina desistem nesta edição.

De 2011 até 2019 esta prova teve 1325 Finalistas, entre os quais há 49 portugueses, e neste particular há que destacar a presença feminina de Ana Paula Santos.

Armando Jorge Teixeira, Pedro Marques, João Faustino e Hélder S G Pinto, têm duas participações

Nota: Em 2018 houve 83 Finalistas mas, face ao mau tempo, a prova foi cancelada e os portugueses em prova foram barrados...

»

Melhor prestação: Armando Teixeira, 2º em 2014, com 31:20.



 






De seguida a minha primeira tabela





A minha média de velocidade de progressão no terreno foi de 170km / 57h = 2,98 km/h ~ 3 km/h.

Exatamente como eu tinha previsto no meu último post antes da prova:

«O meu plano é fazer uma média de cerca de 3 km/h e terminar em 57 horas.»

Andorra Ultra Trail VallNord - Ronda dels Cims 2019 - S02E11

Perdoem-me a imodéstia, mas já tenho dez anos disto e começo a conhecer-me muito bem.




Eis o primeiro gráfico:





O que este gráfico representa é a diferença, de tempo na progressão no terreno, entre o tempo que resultaria de uma velocidade média constante (neste caso de 3 km/h) e o tempo real que decorreu no terreno.

O que salta à vista é que até ao km 130 tive sempre uma margem confortável de mais de 3 horas de avanço. Essa margem começa a perder-se com a segunda noite, no troço muito complicado entre Pas de la Casa e Inclés, e depois esboroa-se completamente com o descanso de duas horas e meia em Inclés. De Sorteny até Ordino volto a recuperar terreno, o que significa que ainda tinha alguma folga para fazer este troço rolante a trotar.

Este tipo de curva está muito bem ilustrado (como sempre) pelo Luís Sommer Ribeiro, numa das suas crónicas do Sr. Ribeiro:


«Regra dos 30%

O cansaço não é proporcional mas exponencial.

Esta frase malandra e estranha com que explicamos as dificuldades nas ultras parece difícil de compreender, por isso vou explicar sem ser com a corrida.

Os jogos de rugby decidem-se nos últimos 20 minutos (25% do tempo).

Qualquer jogo a sério, por maior que seja a diferença entre as equipas em campo, mantém-se mais ou menos estável até aos 60 minutos. Quem não está por dentro do desporto até julga muitas vezes estar a ver uma surpresa.

Aos 60 minutos somos atingidos com o duro martelo da verdade e a melhor equipa vai-se embora.

Claro que há excepções, mas a regra é esta.

Jogos que acabam com diferença de 50 pontos, chegam a estar renhidos aos 60 minutos.

60 minutos de sonho, 20 de realidade.

Nas ultras acontece exactamente o mesmo.

Conseguimos preparar os primeiros 66%, sabemos que nos restantes 33% seremos confrontados com a realidade da nossa forma e como isto da matemática não é retórica ainda falta 1% para lidarmos como conseguirmos.»



Eis aqui um gráfico sememlhante, da minha prestação no UTMB em 2015:




Nota-se que tive uma quebra brutal a partir de Champex.

As causas estão descritas neste post:

Ultra-Trail du Mont-Blanc – Uma odisseia entre Mercúrio e Plutão, uma viagem interior – Parte III





Outro gráfico com a distribuição das minhas provas pelas distâncias:




Ultra M 44-69
Ultra L 70-99
Ultra XL >100


De um total de 129, 54 têm 42K ou mais e 75 têm menos.



E pelos anos:




Evolução do peso no último ano:

 


Desde 2008:










Evolução do VO2max no último ano:



Tenho o VO2max de um miúdo de 20 anos:





Evolução do ritmo de prova juntamente com o ritmo cardíaco médio:







 Treino Mensal em 2019:





Treino Mensal desde 2010:



km-effort = distância (km) + 10 x desnível (km).


Mas aquilo que verdadeiramente interessa é a quantidade de desnível positivo (subir, subir, subir) que se treina:






Treino semanal:




























Vídeos oficiais da organização:


Resumos diários:


















Diretos no terreno:


Partida em Ordino:




Coma d'Arcalís




Vencedor em Ordino




Chegada dos últimos da Eufória








Aquilo em que acredito, relativamente à corrida e ao desporto em geral, está expresso neste episódio do RTP-Running:









Tabelas do Orlando Duarte:




















 

 

 





https://corredoresanonimos.pt/trail/andorra-ultra-trail-impacto-economico




Aventura para 2020:

tor des geants

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2015 - Relato de uma prova seguida à distância

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2016 - S01E01 - Pré-Inscrição

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2016 - S01E03 - Adiamento



Tor des Geants Youtube Channel















 Ou, em alternativa:






Comentários



Posted by:
has written 0 awesome articles for dorsal1967.

Mensagens populares deste blogue

ITRA Performance Index - Tudo o que nunca quis saber nem teve vontade de perguntar

UTAX - Ultra Trail Aldeias do Xisto - 2014

De Vela até aos Açores

5º AXTrail series 2012

Provas Insanas - Westfield Sydney to Melbourne Ultramarathon 1983

Le Grand Raid des Pyrénées

MIUT - Madeira Island Ultra Trail

Ultra Trail Atlas Toubkal - UTAT 2016 - A prova

GR13 - Via Algarviana

VCUF - Volta Cerdanya UltraFons - 214 km - 10.000m D+