terça-feira, 13 de agosto de 2019

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2020 - S01E01 - Próximo objetivo












“Uma vez que nos espera uma longa vida, mais vale viver esse tempo cheio de vitalidade, com objectivos bem claros em mente e perseguindo com firmeza as nossas metas, do que atravessar os anos que nos esperam no meio do nevoeiro. Nessa perspectiva, julgo que correr constitui uma verdadeira ajuda. A essência da corrida consiste em nos obrigar a dar tudo por tudo, dentro dos nossos limites. E isso funciona como uma metáfora da própria vida (…)”
- Haruki Murakami, "Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo."



"A dor é inevitável. O sofrimento é opcional."
- Haruki Murakami, "Auto-retrato do escritor enquanto corredor de fundo."



"There is no evidence that people became more intelligent with time. Foragers knew the secrets of nature long before the Agricultural Revolution, since their survival depended on an intimate knowledge of the animals they hunted and the plants they gathered. Rather than heralding a new era of easy living, the Agricultural Revolution left farmers with lives generally more difficult and less satisfying than those of foragers. Hunter-gatherers spent their time in more stimulating and varied ways, and were less in danger of starvation and disease. The Agricultural Revolution certainly enlarged the sum total of food at the disposal of humankind, but the extra food did not translate into a better diet or more leisure. Rather, it translated into population explosions and pampered elites. The average farmer worked harder than the average forager, and got a worse diet in return."
- Yuval Harari



“What is best about our lives -the moments when we are, as we would put it, at our happiest- is both pleasant and deeply unpleasant. Happiness is not a feeling; it is a way of being. If we focus on the feelings, we will miss the point.”
― Mark Rowlands, The Philosopher and the Wolf: Lessons from the Wild on Love, Death, and Happiness



"Eight days with a fever! I could have written another book ..."
- Honoré de Balzac, just before he felt into a coma.



Alice: “How Long is Forever?”
White Rabbit: “Sometimes, just one second”. 
- Lewis Carrol


The purpose of life is not happiness: it is meaning.
- LMF








Em Setembro de 2015, após completar, em Agosto, os 170K do UTMB, com enorme sofrimento, eu já começava a esquecer a dor e a almejar enfrentar um desafio ainda maior:

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2016 - S01E00 - Próximo objetivo


Nada mais nada menos do que completar, em menos de 150 horas, os desafiantes e míticos 330K com 24.000 mD+ do Tor des Géants Endurance Trail, no Valle d'Aosta, norte de Itália!








The trail is a tour of Aosta Valley following the two "High Routes" of the region, the ItalianAlta Via n.2 or FrenchHaute route n°2[3] for the first half of the race, and the ItalianAlta Via n.1 or FrenchHaute route n°1[4] for the second half of the race. During the tour, the runners cross 34 municipalities, 25 mountain passes over 2000 metres, 30 alpine lakes and 2 natural parks. The minimum altitude is 300 m (985ft) and the highest is 3,300 m (10800ft). The total elevation gain is about 24,000 m (78700ft).[5]

- Wikipedia






Segui atentamente o desenrolar da prova em 2015:

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2015 - Relato de uma prova seguida à distância


Depois, no dia 1 de Fevereiro de 2016, às 12:00, pre-inscrevi-me na prova:

https://dorsal1967.blogspot.com/2016/02/tor-des-geants-2016-pre-inscricao.html

As pré-inscrições fecharam com 2544 candidatos à prova

O sorteio teve lugar na 4ª feira dia 24/02 às 18h00 e eu fui um dos felizes contemplados com uma vaga para a edição de 2016:

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2016 - S01E02 - Sorteio

https://www.random.org/draws/details/?draw=86822

Infelizmente, o meu ano desportivo deixou muito a desejar, e em Agosto decidi que não estava em condições de participar numa aventura dessa dimensão:

Tor des Géants Endurance Trail - TDG 2016 - S01E03 - Adiamento

A participação ficou adiada sine die.



Agora que já passaram três anos sobre essa decisão, e que voltei a completar com sucesso uma aventura de 100 milhas, após um deserto de 3 anos, parece-me que é chegada novamente a hora de me lançar neste MEGA desafio:

Novos Desafios




Para uma aventura desta magnitude, gostaria de planear 12 meses de treino, ou sensivelmente 13 mesociclos de 4 semanas cada.

Mais do que a distância percorrida, o mais importante será incluir muito desnível, positivo e negativo, nos treinos.

O ideal seria cerca de 100K com 4.000 mD+ e D- por semana. Mas isso é difícil de conseguir, uma vez que cerca de metade da distância e a quase totalidade do desnível serão cumpridos no fim-de-semana.

Também deveria fazer reforço muscular e/ou cross-training. O reforço muscular não necessita ser feito necessariamente em ginásio, mas é mais fácil cumprir no ginásio do que sozinho em casa.

Quanto ao cross-training, eu gostaria sobretudo de (re)começar a treinar natação, até porque estou interessado em participar nas provas do circuito de Swimrun.



Considero que o primeiro Mesociclo foi este que passou. Inclui já a prova de 100 milhas deste ano, uma vez que foi o sucesso nesta que me deu a motivação para me abalançar a um desafio maior, bem como 3 semanas de repouso (pouco) ativo.


1º Mesociclo

(29ª, 30ª, 31ª e 32ª semanas de 2019 - 15/07 a 11/08)



Uma das variáveis que é sempre importante controlar é o peso:

Como de costume, após o grande desafio do ano, eu sinto a necessidade de comer e beber sem restrições, e aumento sempre 3 a 4 kgs em pouco tempo.











Vale a pena ler o seguinte artigo acerca desse tema, do controle de peso:

Coaching “Race Weight” Intelligently: A Case Study



Outra variável importante são as horas de sono. É muito importante conseguir repousar bem: no meu caso, o ideal seriam 8 horas de sono por dia:






Um indicador muito revelador acerca de se estamos a descansar o suficiente, é o ritmo cardíaco em repouso. Nota-se que ainda não recuperei da prova de 100 milhas que fiz em Julho:





Os valores de Março e Abril, devem-se a um pico com excesso de trabalho e pouco repouso:







A minha estratégia de preparação para a 100 milhas de Ronda dels Cims incidiu sobretudo em fazer muito volume e desnível em detrimento da qualidade dos treinos.

Tenho que passar a introduzir mais treinos de velocidade e potência:









Microciclos semanais:









Depois da semana muito intensa da prova, as 3 semanas mais recentes têm sido de repouso activo.

Deveria ter aproveitado para fazer cross-training neste período, mas não tive força nem motivação para isso.

Na verdade, depois de uma prova destas, apetece tudo menos ir correr. E foi precisamente isso que aconteceu nestes 3 microciclos mais recentes: vontade de correr: nenhuma!

Vamos ver se retorna agora, porque outros desafios intermédios se avizinham, no caminho para o Tor.

Uma pequena nota acerca do planeamento de treino baseado em mesociclos: um mesociclo é um período de treino composto por vários microciclos semanais. No meu caso, eu escolhi fazer 4 microciclos por cada mesociclo. A teoria diz que de microciclo para microciclo se deve ir incrementando a carga e intensidade de treino até que depois de completar o último se volta a reduzir.
O que se espera do organismo é uma supercompensação:








Teoria e Metodologia do Treino





O bom planeamento de desafios intermédios é muito importante para a boa consecução de uma prova de dimensão XXL, uma vez que não é possível fazer treinos suficientemente longos, que possibilitem aquilatar da nossa forma e treinar muitas horas no terreno.

Até Dezembro não tenho nada extremamente desafiante. Mas lá para Abril ou Junho conto ter algo programado que me permita fazer um teste.




A minha medida de treino, desde que comecei a treinar regularmente, em 2008, combina a distância com a altimetria da seguinte forma:

km-effort = distância (km) + 10 x desnível (km).

Essa escolha está explicada aqui:

ITRA Performance Index - Tudo o que nunca quis saber nem teve vontade de perguntar


Retomei os treinos em Agosto do ano passado, após um hiato com 12 mesociclos muito fracos (abaixo dos 200 km-effort por semana). Para mim um bom mesociclo é um que tenha mais de 400 km-effort.







Conforme explico neste post:

III Ehunmilak 2012 - Preparação - 2º Mesociclo

A dificuldade maior consiste, sem dúvida, em manter a frescura, tanto física como mental, necessária para cumprir um plano de treinos exigente. A recuperação entre treinos e provas não é fácil e a falta de tempo induz a tendência para cortar nos exercícios de alongamento e flexibilidade, essenciais para evitar lesões. Treina-se acompanhado cronicamente pela dor: uma contratura mal curada, joelhos massacrados, dores na região lombar, pubálgia, pés doridos, etc...

Boa parte das vezes é necessário treinar a solo, e muitas horas seguidas nos trilhos da Serra exigem um espírito contemplativo e alguma dose de introspecção. É preciso treinar em quaisquer condições meteorológicas, suportando o desconforto da chuva, do frio ou do calor.

Enfim, a constância e persistência são condições necessárias, e se acompanhadas por algum estudo, discernimento e muito trabalho, podem-se transformar também em condições suficientes para alcançar objectivos ambiciosos.



Para verificar se estou a cumprir um bom plano, gosto de comparar as minhas métricas de treino com períodos homólogos de anos anteriores:





O valor médio dos sete anos anteriores é dado pela barra mais escura.

Para que a leitura seja mais fácil, apresento o mesmo gráfico mas apenas com os valores do meu melhor ano, 2015, do ano corrente e da média:







Mais do que a distância, para mim muito significativo é o desnível positivo:





Apenas corrida:







A minha filosofia de corrida é exposta aqui:













Alguma informação útil acerca da prova:








Regulamento:

https://www.tordesgeants.it/en/content/tor-des-g%C3%A9ants%C2%AE/regulations-tor-des-g%C3%A9ants%C2%AE-2019

Não existem provas de qualificação.
A inscrição custa 750€.




https://www.facebook.com/TorDesGeants/

https://www.youtube.com/user/tordegeants

https://www.flickr.com/photos/tordesgeants/

https://www.instagram.com/tordesgeants/?hl=en



DATE
The Tor des Géants® will take place from 8th to 15th September 2019, with the start set for 12.00 on Sunday 8 September from Courmayeur.

Runners must complete the route by 6 pm on Saturday 14th September, and prizes will be awarded on Sunday 15th September. The maximum time allotted for completion of the race is 150 hours.



https://www.100x100trail.com/it/elenco-iscritti/116/all


Tor des Glaciers:



Tor des Géants






Wikipedia

Tor Des Géants® - ITRA

Certified Track - ITRA

tor-des-geants-2019-novedades-y-guia-del-corredor

Tor des Géants - ahotu Marathons

THE MONTANE TOR DES GÉANTS

RUI SEQUEIRA: DA SERRA DE SINTRA AO TOR DES GÉANTS

Running 330 km Through the Alps: Natalie’s Tor des Géants

Facing Giants

TOR DES GEANTS: THE HARDEST ULTRATRAIL

Tor des Geants 2013 – Race Preview

TOR DES GEANTS 2018 RACE REPORT


O seguinte blog tem estatísticas muito interessantes:

Tor des Géants: some statistics






we can see who spent the least time in those basi vita.
Le Saux Christophe 2:01 (2011)
Millet Guillaume 2:06 (2010)
Colle Franco 2:11 (2012)
Karrera Iker 2:11 (2013)
Voeffray Julien 2:25 (2013)




Most people stay a bit less than 20 hours in the basi vita. Like the ranking of long sleepers indicated, the time in the basi vita decreased since 2010. The distribution of 2013 looks interesting. It looks like the people that would normally stay in the basi vita for about 10 hours have been trying to push their time inside further down. I assume that this are competitive runners that have learned from previous editions that sleeping as little as possible is the winning strategy at the Tor.






We see that people like to finish around 130 hours and around 145 hours into the race. They avoid to finish 135-140 hours into the race. In fact what we see is that people don’t like finishing at night. Over time we see that the fraction of finishers on day 6 has increased. This is probably not very surprising. What it means is that the increased number of participants (is has approximately doubled since the first edition in 2010) is mainly added in the back of the pack. That is something you see in any running distance. 





VÍDEOS:























Notícias:

Carlos Sá alcança 4º lugar, com 80h20'24''





461 finalistas.





Classificação 2017




Percurso do Tor des Glaciers 2019 (450K & 32.000 mD+):







Compilação de fotos:







Fotos:




























domingo, 11 de agosto de 2019

Brutus vai à Serra de Montejunto - Treino de homenagem aos pais






Avô e Pai



A cadeira está vazia, um corpo ausente
não aquece a madeira que lhe dá forma

e não ouço o recado que me quiseste dar
nem a tua voz forte que grita meninos
na hora de acordar
ouço o teu abraço, no corredor em gaia
e os olhos molhados pela inusitada despedida

o sol foge
mas o crepúsculo desenha a sombra que
tenho colada aos pés
ou o espelho, coberto com a tua face

pai, digo-te
a minha sombra és tu

Jorge Reis-Sá



PAI





Treino na Serra de Montejunto (a cerca de 1 hora de Lisboa).

Este é um treino de homenagem a todos os nossos pais que já faleceram e em particular ao meu pai que faleceu a 18 de Fevereiro de 2018. A intenção é tornar isto num evento anual.

Dois dias (sábado, ou domingo, ou ambos) e três distâncias à escolha, com 3 partidas do mesmo local (Bar da Serra, no parque de merendas, junto ao parque de campismo rural de Montejunto):

44K (inicio 6h00);
10K e 23K (inicio 10h00);

(quem fizer os 42K terá que trazer frontal para a 1ª hora).

Recovery no final e abastecimentos intermédios no parque de campismo.


Tracks:

Relive 'Afternoon Run'




Vídeo dos dois dias no fim-de-semana:






No primeiro dia, sábado 23/02, a excelente companhia do Rui foi fundamental para levar o treino a bom termo. Divertimo-nos imenso, apanhámos sol, contámos piadas, cortámos na casaca, bebemos 4 médias cada um, e empaturrámo-nos com duas tostas tamanho king size, no Bar da Serra. E sobretudo, apanhámos um empeno daqueles... Muitissimo obrigado Rui pela alegre companhia! Valeu! 👊😊👍



No segundo, domingo 24/02, dia tive a alegre companhia de uma extensa e animada grupeta RUN 4 FUN:


A grupeta



Gostaria de agradecer comovido a toda a equipa RUN 4 FUN 🍊, a todos aqueles que me ajudaram, me acompanharam, ou pura e simplesmente estiveram comigo em pensamento, antes e durante esta jornada de homenagem aos Pais queridos que já nos deixaram.

O meu Pai foi para mim uma figura fundamental, no meu crescimento e identificação enquanto pessoa e enquanto homem.

Vivi os seus últimos dias de forma intensa e profunda.

Deixas eternas saudades meu Pai querido.


















Vídeos dos treinos de reconhecimento do terreno:












Portugueses com 50 ou mais Maratonas e Ultras







“Se queres vencer o mundo inteiro, vence-te a ti mesmo.”

― Dostoiévski





Nota: toda a informação acerca deste tema, pode ser encontrada no mui útil web site de João Lima:

http://www.joaolima.net/50Maratonas.htm

http://www.joaolima.net/50Maratonas.pdf











A fim de mais facilmente vizualizar a informação contida na tabela anterior, de seguida apresento alguns gráficos e tabelas ilustrativas:









Número de Maratonas e Ultras:





Existem nitidamente 2 outliers:










Terei que desdobrar os gráficos em dois, para caberem os 69 atletas.

Nos 2 próximos gráficos removi os outliers para que os gráficos sejam mais percetíveis:









Quanto à prova mais longa, também existem 2 nítidos outliers:










Mesmo gráfico sem os 2 outliers:








Melhor tempo na Maratona:
mais uma vez 2 outliers.













Data de nascimento:







Ano da 1ª maratona:








Agora alguns gráficos com correlações interessantes entre duas variáveis (regressão linear). Não incluí nesta análise os coeficientes de correlação e de determinação, nem a significância estatística, mas o intuito também não é fazer uma análise rigorosa.



O primeiro gráfico mostra uma correlação óbvia: entre a idade do atleta e o ano da sua primeira maratona:






O próximo mostra aquela correlação que é sempre muito polémica entre o desempenho e a "antiguidade" do atleta. Ou seja, a perceção de que antigamente existiam menos desportistas mas eram mais velozes (nota: mantenho a ressalva que seria necessário avaliar o coeficiente de correlação, a representatividade da amostra, e a significância destes dados para se poder tirar alguma conclusão estatisticamente válida)





Se usarmos como proxy o ano da primeira maratona em lugar da data de nascimento, o efeito é mais notório:




Se, em lugar de uma regressão linear, fizer uma regressão polinomial de grau 2, a tendência não se altera:




No entanto se fizer uma regressão polinomial entre a data de nascimento (idade) e o melhor tempo na maratona, a curva fica diferente: vê-se que os tempo dos atletas mais velhos tem uma forte influência na curva.





Se usarmos uma regressão polinomial de grau 3, o efeito é evidente:




Se removermos os tempos dos 6 atletas mais velhos, a regressão polinomial de grau 2 é praticamente uma recta, quase horizontal:







O seguinte gráfico mostra algo que parece ser auto-evidente: quem começou mais cedo, já completou mais maratonas:








No entanto, já quanto às ultras, a correlação é a oposta: parece que a malta nova quer sobretudo fazer ultras.








Uma correlação que é nula é entre o número de maratona completadas e o melhor tempo na maratona:









Uma nota pessoal:

Destes 69 bravos, 3 são RUN 4 FUN.








P.S.

Há fulanos que têm mesmo o fetiche dos números...
;)